A melhor maneira de tornar algo útil e usável, é observar as pessoas tentando usá-lo. É com essa motivação que devemos lançar mão dos testes de usabilidade e assim buscar a melhor experiência para o usuário.

Testes de usabilidade ocorrem durante o processo de criação do site ou aplicativo. Tem como objetivo observar as pessoas utilizando o produto a fim de detectar pontos que confundem ou frustram o usuário.

(…) testes são como viagens: experiências que ampliam os seus horizontes. Eles o lembram do quão diferentes – e semelhantes – as pessoas são, e isso lhe confere uma nova perspectiva das coisas.

Steve Krug, 2014

Testes do tipo Faça-Você-Mesmo

Steve Krug, no clássico livro Não me faça Pensar (2014), oferece uma alternativa para os longos e caros testes de usabilidades: testes do tipo faça-você-mesmo. São curtos e com poucos usuários mas ocorrem com muita frequência.

Podem ocorrer no mesmo local de trabalho e dá a oportunidade de várias pessoas assistirem e anotarem suas impressões que posteriormente serão discutidas.

O objetivo desse tipo de teste não é provar uma hipótese mas sim observar como o usuário utiliza algo e localizar problemas de usabilidade.

Como organizar testes de usabilidades ?

FrequênciaPelo menos 1 por sprint
N° de participantes3 a 5 participantes
Tempo de teste1 hora por teste (separe uma manhã para conduzir os testes)
Quem assiste?A equipe de desenvolvimento e outros interessados: marketing, comercial, etc. Mas todos devem fazer notas de problemas de usabilidade.
Quem recrutar?Dê preferência para usuários que reflitam suas personas, mas não se limite.
Como recrutar?Grupos na internet, redes sociais, no seu próprio site. Recomendo aproveitar a sua própria base cadastral se tiver. Em troca, ofereça brindes, prêmios. Para alguns grupos, pode ser que seja necessário pagar por essa disponibilidade.
Quem conduz?Qualquer pessoa pode ser o facilitador. Leve em consideração que deve ser uma pessoa paciente, calma e empático. Alguém do time de UX, pesquisa, entre outros.
Como conduzir?Cada rodada de teste o facilitador deve propor tarefas aos participantes. Seja claro nas tarefas mas dê espaço para o participante determinar detalhes e investigar mais.

Segundo estudo publicado na Nielsen Norma Group, testes de usabilidade com 5 pessoas já permite encontrar quase tantos problemas de usabilidade quanto numa pesquisa com mais participantes. Veja o estudo completo aqui.

Script de teste

Para cada teste você precise estabelecer o objetivo daquela rodada. Defina o que será observado, ou seja, quais as tarefas que o usuário deverá executar.

Abaixo um script que adaptei a partir da proposta de Steve Krug (2014):

  • Boas-vindas: explicar a programação do teste.
  • Criar ambiente para ajudar a relaxar: realize perguntas pessoais e tente entender o quanto essas pessoas estão familiarizadas com o assunto e com o meio digital.
  • Passeio pelo site ou aplicativo: abrir o site ou aplicativo e pedir para os usuários falarem as primeiras impressões. Perguntas-chave para conduzir a entrevista:
  1. Que tipo de site você pensa que é?
  2. O que você acha que pode fazer aqui ?
  3. Para que este site serve?
  4. O que te impressiona nesta página?
  5. Se você tivesse de dar um palpite, qual seria?
  6. Se você estive em casa, no que clicaria primeiro?
  • Tarefas: especifique as tarefas que o usuário tem que desempenhar. Perguntas que podem ajudar nesta etapa:
  1. Você é capaz de pensar em algum serviço de que pudesse precisar e usaria este site para ajudá-lo?
  2. Se o usuário travar e solicitar estimule-o a continuar: “o que você faria se eu não estivesse aqui?”
  3. Em que você está pensando?
  4. O que você faria se (descrever uma situação)?
  5. Se você estivesse à procura de (descrever a situação, item ou serviço) o que faria primeiro? onde clicaria?
  6. Qual a sua opinião sobre (descrever ou mostrar o elemento)? O que você entende?
  7. Algum motivo para você não ter dado atenção a (Descrever ou mostrar o elemento)?
  • Sondagem: capte as impressões do teste do candidato e esclareça dúvidas.
  • Desfecho: Agradecimento e encerramento. Preferencialmente entregue um brinde ou o valor acordado com o usuário.

Durante o processo não faça perguntas sugestivas para não influenciar o usuário.

O usuário deve pensar em voz alta. Faça perguntas para estimula-lo a falar e compartilhar. “O que você está olhando? E agora o que pensas?”.

O relatório

Chegou o momento de analisar o que foi colhido de informações e priorizar as mudanças necessárias.

Reúna-se com o time que observou o teste.

  • Faça uma lista coletiva de problemas. Peça para os observadores listarem 3 problemas graves.
  • Escolha os dez problemas mais graves e os priorize de 1 a 10. Utilize ferramentas como Matriz GUT ou método Moscow para ajudar nessa priorização. Você ainda pode realizar uma votação. Isso pode gerar debates e impactar no rumo da conversa. Mas é uma alternativa rápida e sem muitos esforços. Dependerá da maturidade do time.
  • Crie uma lista ordenada com possíveis soluções, quais os recursos necessários e quem atuará. Sugiro indicar o squad responsável por essa melhoria.
Importante: não é necessário consertar todos os problemas e nem ter uma solução perfeita e definitiva. Mudanças parceladas já podem ajudar a reduzir o ruído causado pelo problema.

Testes de usabilidade: um aliado para melhoria da experiência do usuário.

É fundamental testar usuários logo no início do projeto. Isso pode reduzir esforço desnecessário de desenvolvimento. Como vimos, não precisam ser muitos usuários e nem ser algo sofisticado.

O tipos de testes Faça-você-mesmo proposto por Steve Krug te dá a oportunidade de aprender cedo e a corrigir o mais rápido possível.

Lembre-se testar um usuário é melhor do que não testar. Testes não precisam ser complicados e sempre trazem bons resultados.

Usabilidade tem relação com prestar melhores serviços através do desenvolvimento de produtos melhores. Como seu time de produto lida com usabilidade? Quais os seus desafios? Deixe sua história nos comentários. 🙂